• Benefícios

    Desempenho das principais modalidades de seguros

    Das projeções realizadas sobre o desempenho das principais modalidades de seguros em 2002, os técnicos da Superintendência de Seguros Privados (Susep) superestimaram dois casos, justamente no segmento de veículos. No seguro de casco, o faturamento, de R$ 8,179 bilhões, situou-se 0,76% abaixo do estimado. Já no seguro obrigatório de veículos – DPVAT, a receita de R$ 1,4 bilhão foi 2,4% menor que a prevista.

    O Seguro Obrigatório São Paulo é de grande importância para os motoristas da cidade, pois o mesmo protege as vítimas de acidentes de trânsito em diversos casos. Sendo assim, você deve pagar esta taxa anualmente.

    Já o desempenho do seguro de vida surpreendeu os técnicos. O faturamento real ficou bem acima do projetado. Em 2002, as seguradoras arrecadaram mais 2,7% que o estimado, ao fecharem o ano com R$ 7,1 bilhões.

    O imprevisto maior foi com a desenvoltura dos produtos de benefício livre, o VGBL. E o erro fatal ocorreu com o comportamento projetado para dezembro. A Susep não previu o ímpeto com que os consumidores foram às compras de planos resgatáveis no último mês do ano: gastaram R$ 194 milhões mais do que os técnicos esperavam. Enquanto os cálculos apontavam para uma receita de R$ 355 milhões, as vendas reais somaram R$ 549 milhões.

    No faturamento das seguradoras com as vendas das coberturas de riscos diversos e incêndio, a avaliação praticamente emparelhou com os resultados efetivados, embora com uma ligeira diferença para cima. Nos riscos diversos, a receita de R$ 458,6 milhões foi 0,4% superior à prevista. No incêndio, com R$ 2,013 bilhões captados, a pequena variação foi de 0,24% a mais do que o esperado.

    Mas no geral, os cálculos da Susep ficaram bem próximos da realidade. Tanto que o faturamento total do mercado de seguros em 2002, fechado em R$ 23,8 bilhões, sem o seguro-saúde, situou-se apenas 0,47% acima do projetado. Os técnicos previram crescimento nominal de 22,9%, sobre 2001, mas bateu em 23,5%.

  • Benefícios

    Reajuste de Valores para o Próximo Ano

    Reajuste do Salário Mínimo 2019 – Todo e qualquer tipo de reajuste é muito importante, tudo porque ele aumenta de forma considerável o poder de compra do cidadão, e geralmente esta alteração acontece no mês de janeiro, mas para que isto possa acontecer, esta alteração vem sendo discutida com muitos meses de antecedência.

    A maioria dos trabalhadores recebem seu pagamento com uma base no valor do salário mínimo 2019, e por isso é tão importante que exista esta alteração. No ano de 2019 o reajuste do salário mínimo será considerável, principalmente comparando com outros anos onde foi menor.

    Reajuste do Salário para o Próximo Ano

    O governo propõe algumas alterações para os trabalhadores, que muitas vezes inclusive eles não estão esperando, e o reajuste do salário mínimo 2019 deverá ficar em R$ 867 mensais, o que está em projeto da LDO do ano de 2019.

    Para que se tenha ideia da importância e a forma como o salário afeta a vida dos trabalhadores brasileiros, mais de 45 milhões de pessoas tem sua remuneração baseada no novo salário mínimo 2019, logo dependem deste valor.

    Confira a seguir o histórico de reajuste:

    • Ano 2019 – Valor R$ 1002,00
    • Ano 2018 – Valor R$ 954,00
    • Ano 2017 – Valor R$ 937,00
    • Ano 2016 – Valor R$ 865,50
    • Ano 2015 – Valor R$ 788,00
    • Ano 2014 – Valor R$ 724,00
    • Ano 2013 – Valor R$ 678,00
    • Ano 2012 – Valor R$ 622,00
    • Ano 2011 – Valor R$ 540,00
    • Ano 2010 – Valor R$ 510,00
    • Ano 2009 – Valor R$ 465,00
    • Ano 2008 – Valor R$ 415,00
    • Ano 2007 – Valor R$ 380,00
    • Ano 2006 – Valor R$ 350,00
    • Ano 2005 – Valor R$ 300,00
    • Ano 2004 – Valor R$ 260,00
    • Ano 2003 – Valor R$ 240,00
    • Ano 2002 – Valor R$ 200,00
    • Ano 2001 – Valor R$ 180,00
    • Ano 2000 – Valor R$ 151,00

    A mudança por isso é muito aguardada e tem um reflexo bastante grande em tudo no Brasil. A informação foi divulgada a partir do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e foi quem divulgou a proposta, uma mesma que segue rumo ao Congresso Nacional para que possa ser devidamente analisada e posteriormente aprovada ou não.